quarta-feira, 16 de setembro de 2015

GAITÁN, O MELHOR REFORÇO DO BENFICA

Quando finalmente chegou a meia noite do dia 1 de setembro, dia do fecho do mercado de transferências em Inglaterra (nos outros principais mercados europeus fechou a 31 de agosto), Rui Vitória deve ter esfregado as mãos de contente por ver que Nico Gaitán ia permanecer no plantel do Benfica. A SAD "encarnada" resistiu às investidas dos milhões árabes mas também de outros emblemas europeus para manter aquele que, neste momento, o jogador mais valioso do plantel.
E em boa hora tomou essa decisão já que o extremo argentino tem sido o principal desequilibrador deste novo Benfica, ainda à procura da sua melhor forma. A tarefa de Rui Vitória para colocar a equipa a jogar como ele quer não tem sido fácil mas Gaitán vai disfarçando as fragilidades das "águias", como se viu na noite desta terça-feira, na Luz, frente ao Astana. Os "encarnados" venceram por 2-0, entrando assim com o pé direito na edição 2015/2016 da Liga dos Campeões. O adversário era o modesto campeão cazaque (no atual plantel da equipa não há qualquer jogador que tenha disputado a fase de grupos da Champions), que pela primeira vez pisa os meus palcos da nata do futebol europeu mas a resposta do Benfica não convenceu. Principalmente o primeiro tempo.
Quando não se joga bem, pelo menos há que ganhar. A tese é defendida por todos os treinadores, conscientes que as equipas tem dias menos bons e que nessas alturas, o resultado é o mais importante. É o que se pode dizer da atuação do Benfica frente ao Astana, como admitiu Rui Vitória na conferência de imprensa. Tal como aconteceu em cinco dos seis encontros oficiais já disputados esta época, o Benfica foi para o intervalo sem marcar qualquer golo (exceção foi a goleada de 6-0 ao Belenenses, com 3-0 ao intervalo). Apenas duas oportunidades de golo, ambas desperdiçadas por Jonas aos 30 e 44 minutos (defesa com os pés do guarda-redes Eric Nenad) eram pouco para o Benfica que defrontava uma equipa sem qualquer experiência de Champions.
Para se ter uma ideia, Paulo Lopes, guarda-redes suplente do Benfica, tinha mais jogos na prova milionária (um) que toda a equipa do Astana. Só o seu treinador, Stanimir Stoilov, antigo jogador do Campomaiorense, sabia o que era "nadar" entre os "tubarões" da Europa, quando orientou o Levski Sofia na prova e perdeu todos os jogos da fase de grupos. Na noite desta terça-feira somou a sétima derrota em outros tantos jogos.
Capitaneado por Foxi Kethevoama, jogador da República Centro-Africana, o Astana surgiu na Luz bem organizado no primeiro tempo, espreitando sempre o ataque, com passes curtos, certos, sem entrar em pânico quando tinha a bola. Junior Kabananga deu muito trabalho a Luisão e Jardel, Dzolchyiev deu luta a Eliseu. Foxi saia da esquerda para o meio, tentando lançar os extremos ou combinando com os médios interiores para tentar penetrar na defensiva “encarnada”. Do lado do Benfica, só Gaitán ia "pincelando" a exibição das águias com lances de magia, ora pelo corredor esquerdo, ora pela zona central. O resto da equipa, apática, era presa fácil para o modesto Astana.
No segundo tempo tudo mudou para melhor. Mas podia ter mudado para pior para o Benfica, se Schetkin (entrou ao intervalo para o lugar de Kabananga) tem colocado a bola no fundo das redes de Júlio César logo no primeiro minuto. O poste direito da baliza disse "não" e negou o golo. A partir daí "morria" o ataque cazaque e renascia o Benfica.
Em dez minutos a formação de Rui Vitória resolveu o encontro, com Gaitán a rascar a defensiva do Astana antes de rematar cruzado para golo, aos 52 minutos. Nove minutos depois, Mitroglou encostava para o fundo das redes um passe de Eliseu após boa desmarcação de Gaitán. O grego fazia o seu quarto golo pelo Benfica esta época, todos marcados na Luz, o argentino fazia o seu segundo de sempre na Champions e “picava o ponto” pelo segundo jogo seguido, depois de ter marcado ao Belenenses na sexta-feira. O resultado fazia-se aí, o Astana perdia o "gás" e deixava de dar luta, vergado ao maior talento e capacidade dos jogadores do Benfica.
Na noite chuvosa da Luz, só Gaitán parecia ter "pilhas" para deixar com a “cabeça à roda” os cazaques, com pormenores de classe, tanto a fazer passes a rasgar como a furar a defensiva contrária em fintas e em velocidade. Rui Vitória agradece ao argentino por ter “safado” mais uma noite pouco brilhante do Benfica, principalmente no primeiro tempo: equipa sem ideias, muito previsível, com muitas perdas de bola. Gonçalo Guedes foi titular pela segunda vez (Rui Vitória repetiu o onze que goleou o Belenenses) mas não mostrou quase nada, como admitiu na flash interview. Gaitán, o homem do jogo, alertou para o facto de ainda faltar muito caminho ao Benfica para chegar aos oitavos-de-final. Já Samaris elegeu o Galatasaraycomo principal adversário do Benfica na luta por um lugar nos oitavos-de-final.
Do lado cazaque, Stanimir Stoilov admitiu que o Benfica foi melhor, principalmente no segundo tempo.
O Benfica comanda o Grupo C da Liga dos Campeões ao lado do Atlético Madrid que também venceu o Galatasaray por 2-0. FONTE__________________________________________
Concordo totalmente com o título em questão. Ou  não tivesse feito ele, e outros, um brilharete no jogo de ontem. Agora é pensar no próximo  jogo, e sem receios.
É apenas pensar de jogo a jogo sem euforias nem exageros. Estou convicta que temos equipa para ir muito além. Basta nós acreditarmos, e eles, jogarem à Benfica.

O que pensam os Benfiquistas?

1 comentário:

  1. Sem dúvida. Nico Gaitán um grande jogador, uma mais valia, para o Benfica e para gáudio dos benfiquistas. Que continue sempre de águia ao peito.

    ResponderEliminar